domingo, 10 de fevereiro de 2008

Rede Globo, a rapaziada, a alegria da burguesia e a pseudo-coincidência



por Mariana Vedder (UFF/Observatório da Indústria Cultural)


E Vamos À Luta


Eu acredito é na rapaziada

Que segue em frente e segura o rojão

Eu ponho fé é na fé da moçada

Que não foge da fera e enfrenta o leão

Eu vou à luta com essa juventude

Que não corre da raia a troco de nada

Eu vou no bloco dessa mocidade

Que não tá na saudade e constrói

A manhã desejada

Aquele que sabe que é negro o coro da gente

E segura a batida da vida o ano inteiro

Aquele que sabe o sufoco de um jogo tão duro

E apesar dos pesares ainda se orgulha de ser brasileiro

Aquele que sai da batalha

Entra no botequim, pede uma cerva gelada

E agita na mesa logo uma batucada

Aquele que manda o pagode

E sacode a poeira suada da luta e faz a brincadeira

Pois o resto é besteira

E nós estamos pelaí...


Gonzaguinha





Era final de período e os militantes do Movimento Estudantil das Universidades Federais de todo o Brasil estavam preocupados com o futuro de suas instituições de ensino. Mais um decreto do governo Lula, e que dizia expandir vagas, democratizar o ensino, atender aos anseios da sociedade. Porém, na verdade, só pretendia aprofundar ainda mais o sucateamento dessas universidades. Muitas já em estado totalmente precário.


Uma noite dessas, me preparando para sair de casa, a televisão estava ligada. Bem no horário da novela das oito. Eis que vejo um grupo de pessoas (?) que pareciam estudantes/militantes incendiando uma escola e chamando a polícia para a briga. Pensei: Mas o que é isso? É o apocalipse? Não, não era o apocalipse, era uma "invasão" da reitoria da universidade particular Pessoa de Moraes, que tem como dona a personagem de Susana Vieira. Lembrei-me de um outro capítulo no qual José Wilker, importante e conhecido pedagogo da trama, durante uma conversa aparentemente informal, dava "aulas" sobre qual a solução para a educação no país. E adivinham o que ele disse? Claro, que a solução era privatizar, promover parcerias com a iniciativa privada, pois tudo o que é público não vai para frente.


Pode-se claramente notar que isso não é coincidência.Enquanto isso, no Brasil, mais de 20 reitorias de universidades federais estavam ocupadas por militantes que lutavam por democracia. Pelo simples direito de voz e voto da comunidade universitária no caso da votação do decreto/projeto do REUNI (Projeto de expansão e reestruturação das universidades federais). E a reitoria da universidade Pessoa de Moraes estava sendo "invadida" por militantes que também lutavam pelo direito de voto, pois o novo reitor havia sido indicado pela dona da instituição. O antigo reitor era marido da personagem, por esse motivo, com a morte dele, Branca Pessoa de Moraes (Susana Vieira), se sentiu livre para indicar quem seria o novo reitor. Uma espécie de Big Brother, no qual o novo líder seria "sugerido" pela Grande Irmã.


No entanto, a diferença entre os militantes da novela e os da "vida real" é que os estereótipos promovidos pela grande mídia são uma constante. Os militantes da vida real apanharam da polícia, foram reprimidos. E os da novela? Quebraram tudo, atearam fogo em pneus e destruíram parte do prédio da universidade. E, além disso, chamaram a polícia para a briga. Gostaria muito de saber qual é o militante que gosta de apanhar. Fato estranho. Mas falando de vandalismo, podemos fazer um balanço dos prejuízos de todas as reitorias de todas as federais que foram ocupadas. Com certeza não chegam aos pés dos prejuízos causados pelos "militantes" criados pela Rede Globo.


Não poderíamos esperar algo muito diferente disso, pois como disse Gramsci:


"Os jornais do capitalismo fazem vibrar todas as cordas dos sentimentos pequeno-burgueses; e são estes jornais que asseguram à existência do capitalismo o consenso e a força física dos pequeno-burgueses."


É claro que não estamos falando de jornais especificamente, mas essa citação de Gramsci pode ser aplicada a praticamente todos os produtos das corporações midiáticas e de seus idealizadores. É de inteira responsabilidade dessas pessoas a manutenção e afirmação do preconceito para com os membros de qualquer movimento social. Os ataques dessa novela não se dirigem apenas aos estudantes, mas também ao Movimento Negro, aos gays, aos moradores de favelas que, notoriamente, não se reconhecem na Portelinha.


Mas o pior ainda estava por vir. Nos capítulos mais recentes dessa completa maldade televisiva, o alvo tem sido apontado ao pseudo-militante estudantil da universidade em questão. O garoto, que é negro, está movendo um processo contra o reitor da Pessoa de Moraes, personagem de José Wilker, por racismo. Gravou uma conversa entre os dois na qual o reitor chamava o rapaz de zumbi. Então, o militante que nunca aparece nas aulas, que destrói a universidade onde estuda, que agride verbalmente a dona da instituição, chamando-a de fascista toda vez em que a encontra, de repente resolve "se vingar" de um reitor que jamais foi eleito. Como se os membros de movimentos sociais fossem capaz de tal insanidade. É muito descaramento. A imagem do militante (tanto do movimento negro quanto estudantil) construída nessa trama é impressionantemente manipulada e grotesca. De uma inteira falta de dignidade até.


Outro fato muito curioso é que só nessa novela o reitor dá aulas. Desconheço outra universidade onde isso ocorre. E o mais inusitado: dá cursos de férias gratuitos para os moradores da favela. Favela esta, controlada por Juvenal Antena (Antonio Fagundes), amigo do reitor e da dona da universidade. Não estou, no caso, criticando a atitude do personagem. Contudo, não consigo ver qualquer semelhança com a realidade das universidades particulares do país. É como se a telenovela fizesse questão de não representar mesmo a realidade. Como se estivesse à margem da realidade social e cultural brasileira. E o pior, como se tivesse orgulho disso. Afinal de contas, o espaço público não é pra ser plural, democrático e representar os mais diversos setores da sociedade? Parece que os "cabeças" da TV Globo não conhecem muito bem as regras de uma concessão pública.


Vale lembrar que, neste ano de 2008, teremos uma ilustre comemoração: os 40 anos do Maio de 1968! Temos muito o que comemorar, principalmente pela inspiração que os acontecimentos da França de 1968 nos traz a cada dia de reflexão e luta por uma universidade, um país e um mundo melhor. E, é claro, esse acontecimento jamais poderia passar em branco pelos olhos da poderosa mídia opressora. Embora seja pelo motivo contrário do nosso, que lembramos com orgulho pelas vitórias alcançadas e com tristeza pelo sofrimento de muitos militantes da época, os donos da comunicação hegemônica logo encontraram um jeito de disputar o sentido desse importante marco na nossa história. Como já disse, não pode ser coincidência. Estudantes ocupando reitorias, tomando ruas, praças avenidas e o que mais tiver para ser tomado; comemorações do Maio de 1968 em 2008; os 90 Anos da Revolução Russa de 1917 lembrados no ano passado. Só poderiam mesmo contra-atacar. E da forma mais perversa possível, pois nossa réplica é desigual. Enquanto a TV Globo alcança cerca de 97% do território nacional, pouquíssimos cidadãos têm acesso à internet ou a meios contra-hegêmonicos que possam trazer concepções diferentes de sociedade.


Eu acredito é na rapaziada. É assim que a trama se inicia todos os dias. Mas eu jamais pude entender quem faz parte dessa rapaziada. De quem eles estão falando quando dizem que adreditam? Confesso que às vezes perco as esperanças por refletir sobre isso, pois a "rapaziada" que a Rede Globo diz acreditar está longe de se parecer com a rapaziada na qual o Movimento Estudantil acredita. Talvez, a rapaziada que a emissora acredita, assim como todas as organizações midiáticas burguesas, seja a mesma que matou tanta gente no período da ditadura militar; que mata inocentes na guerra do Iraque; que oprime os moradores de favelas e venera o BOPE; que faz questão de produzir sempre mais do mesmo na televisão e em todos os outros meios por eles controlados, ao invés de abrir espaço para a diversidade; etc. Poderíamos encher um livro com exemplos desse tipo. O complicado nisso tudo, é que atitudes como essa não acontecem pela primeira vez. E não deixarão de acontecer até que o poderio da mídia fascista deixe de existir.


Mas nós, sim, acreditamos na rapaziada! A rapaziada que vai mudar essa história.

10 comentários:

Ana Paula disse...

Adorei o texto Mari e vou mandá-lo para a lista de emails que estamos construindo do curso de direito na Univercidade-RJ. A lista tem como pricipal objetivo informar os colegas acerca dos seus direitos como estudantes para que possamos encontrar bastante apoio para a construção do Centro Acadêmico de Direito, apoio amplo e generalizado, pois vamos ter que lutar muito para garantir esse importantíssimo órgão representativo que é o Centro Acadêmico, já que o Reitor da Univercidade, de forma exdrúxula, autoritária e ilegal, proíbe o movimento estudantil no Centro Universitário que considera seu. E isso é apenas um fato num conjunto de ações absurdas de mercantilização do ensino que nem haveria espaço para eu relatar aqui.
Parabéns pela iniciativa de escrever o texto. Temos muito o que refletir e discutir sobre a situação do movimento estudantil nas Universidades Privadas.
Grande beijo e abraço
Ana Paula Tallini
Comissão Pró-Centro Acadêmico de Direito da Univercidade RJ

anaenne disse...

Bacana o texto, gostei! Vc soube unir a sua experiência como militante à análise da novela, apresentando contra-pontos bem ricos. Acho que esse é o principal ponto de contribuição do Oicult, por isso, parabéns tanto a você, Mariana, pela coragem e pela análise, quanto para o pessoal do Observatório, que está fazendo um trabalho sensacional.

Aline Carvalho disse...

Mari, adorei!

É realmente incrível como a Rede Globo (e as outras empresas midiáticas que estamos cansados de conhecer) esquece o que significa concessão PÚBLICA de radiodifusão, passando por cima da cultura popular (no mais amplo sentido desse termo bastante controverso) e impondo modelos éticos, estéticos e morais como se fossem os mais óbvios!
E o pior é que parecem estar do lado da população brasileira quando uma novela ("espelho da vida real") resolve pautar assuntos como favela e movimento estudantil, o que acaba por justificar estas representações deturpadas. E como há pouca nenhuma outra referência a estes assuntos na grande mídia, que alcança a maioria da população e fazem as pessoas acreditarem que todos querem ser Big Brothers, essa manipulação parece ser totalmente consentida.
Mas nao é, a gente faz o que pode - e às vezes o que não pode - contra essa hegemonia!

E continuamos na luta..

Beijos,
Aline (Estudos de Mídia / UFF)

Uhhh disse...

Grande texto. Fundamental que o Mov. Estudantil e os observadores da mídia não deixem de denunciar a falácia q a Globo criou pra estigmatizar e desprestigiar o método de luta estudantil em 2007.

Ocupamos pra virar o jogo.

2008 e a globo que nos esperem. Temos uma memória de lutas pra recordar e viver.

Rodolfo Mohr
DCE/UFRGS
ocupador de reitoria

Romulo disse...

A imagem do ME da Globo seria cômica se não fosse trágica... Tem ainda toda uma dispouta entre a aluna de classe média que passa por apertos mas é "comportada" e os baderneiros do ME, realmente assustador!

Ari Holzbach disse...

Mari,

seu texto está super legal, você defende seus princípios com unhas e dentes e acredita em um mundo melhor. Tomara que esteja certa!!!
Só reforço que, em geral, as novelas trabalham com estereótipos sim, mas os mais diversos. Ou será mesmo que existe alguma socialite que se comporte como a Gioconda, personagem de Marília Pêra, que apóia o casamento da filha com um morador da Portelinha, afilhado do dono da favela? Ou o engenheiro desempregado e sem referências de trabalho que recebe uma proposta de emprego na Europa? Mas pelo menos a novela estimula, mesmo sem querer, a reflexão - e assim a gente vai em busca de um futuro melhor, né?

Beijos!
Ariane

JH disse...

Muito bom o texto! Explicita muito bem os absurdos -- porém, não gratuitos -- estereótipos disseminados por essa verdadeira "máquina de fazer burro" que é a Globo.
E, além do Mov.Estudantil, vale sublinhar a descarada distorção do movimento dos sem-teto. E isso (não gratuitamente, repito) num momento em que ocupações urbanas (e não "invasões", como querem pintar) têm incomodado os especuladores imobiliários e os defensores da propriedade acima de tudo (valendo mais do que o ser humano e seu direito de ter um teto).
É isso.
Parabéns pelo texto.
abs

Henrique disse...

Adorei o texto. Lúcido e importante.
Muito Importante.

ederfonseca disse...

Belíssimo texto. Tocou no ponto nevrálgico da novela.

Eu só gostaria de sublinhar que paralelo ao estudante negro, que não estuda, colocaram uma patricinha ridícula que, mesmo sendo patricinha, querem pintá-la como inteligente, bem resolvida, e engajada.

É muita manipulação, falcatrua, zombação com a inteligência das pessoas (e com o estômago).

diel disse...

nota de esclarecimento:
eu estudo na universidade federal de goiás, curso de agronomia e o reitor da universidade dá aulas.
abraço!