quarta-feira, 26 de setembro de 2007

"Sou Alicia Silverstone e sou vegetariana"


Assustei-me. Dei gargalhadas cínicas. Mas fiquei assustada. De verdade.


Com voz divertida, o senhor de meia idade e gravata inteira atrás de um balcão, que, aliás, lembrava um guichê de venda de seguros, dizia: "Alicia Silverstone, a patricinha de Beverly Hills tira a roupa para campanha a favor do vegetarianismo". Franzi a testa.Seguiu-se o vídeo da moça.


Belíssimo.


Uma atmosfera envolvente, meia luz, um gramado bem aparado e flores brancas cercando um pátio enorme, e eis que, de uma piscina serena, surge uma bela loira. Ela sai calmamente da piscina, permitindo que a câmera demonstre suas "qualidades", estretegicamente censuradas por folhinhas e posicionamentos de câmera, é claro. Já de pé, ao lado da piscina, sem parecer estar com o mínimo de frio, e com uma voz sensual começa: "Eu sou Alicia Silverstone, e eu sou vegetariana".

Gelei.

Mas ela continuou: "Nem sempre fui vegetariana, mas sempre amei os animais". E com um close : "Fisicamente, os efeitos são incríveis. Sinto bem melhor do que há 11 anos atrás".


Sim, é isso.


Ser vegetariano pode te deixar igual à Alicia Silverstone!!! E de brinde pode te limpar a consciência quando for brincar com coelhinhos e demais animaizinhos fofinhos. Mas é claro, isso é muito menor diante de TER o corpo perfeito aos 30 anos.


Isso com o detalhe de esse comercial estar voltado para circulação em um país que tem problemas seríssimos de obesidade, e onde os estímulos contraditórios de "super-size" e consumo desenfreado de comida (especialmente as mais processadas, industrializadas) por um lado, e de magreza anoréxica como valor estético (sobretudo feminino), por outro, enlouquecem milhões de gordinhos/"losers". O que convenientemente vende muitos produtos light e lota academias e salas de cirurgia estética.

Nada contra a nudez.

Fosse uma abordagem naturista, soaria menos estranho.


O próprio machismo do protótipo "gostosa que ama os animais" e da mercantilização do corpo da "patricinha de Beverly Hills", talvez chocasse menos, como mais um exemplo de uma rotina, já que todos os dias vemos corpos femininos vendidos como brinde de cervejas e carros.


O que mais assusta é a apropriação de uma prática como o vegetarianismo, usualmente defendida como um "contra-consumo", como mais um espaço de consumo em massa do sistema, diferindo muito pouco da forma como se vende o Mc Donald's, ou, talvez melhor, a Skol.


Ser vegetariano passa a ser um produto a ser comprado na busca de um corpo ajustado aos padrões estéticos do sistema, assim como a yoga já é vendida em muitas academias como uma forma de ficar com o corpo da Madonna (e quem resistiria à bela foto contorcionista da Diva no panfleto da Academia???). Tudo devidamente enquadrado na lógica do "ser" como "ter" um corpo magro (talvez peitudo...) e ajustado aos padrões. Pronto e atraente para ser consumido.



Sigo assustada.


Sobretudo porque meu corpo não se parece nem com o da Madonna, nem com o da Alicia Silverstone.


E, neste mundo, isso é um problema.

O anúncio pode ser visto em http://www.peta.org/feat/alicia_psa/index.asp

Raquel Sant'Ana (UFF/Observatório da Indústria Cultural)

11 comentários:

Observatório da Indústria Cultural disse...

A contradição: carne humana exposta como mercadoria para defender o vegetarianismo!Lembrei de Viníciu de Moraes:
Não Comerei da Alface a Verde Pétala
(Vinicius de Moraes)

Não comerei da alface a verde pétala
Nem da cenoura as hóstias desbotadas
Deixarei as pastagens às manadas
E a quem maior aprouver fazer dieta.

Cajus hei de chupar, mangas-espadas
Talvez pouco elegantes para um poeta
Mas peras e maçãs, deixo-as ao esteta
Que acredita no cromo das saladas.

Não nasci ruminante como os bois
Nem como os coelhos, roedor; nasci
Omnívoro: dêem-me feijão com arroz

E um bife, e um queijo forte, e parati
E eu morrerei feliz, do coração
De ter vivido sem comer em vão.

Henrique disse...

Um corpo ideológico sobre o nosso corpo.

... gostei muito!

Stephanie Siqueira disse...

Tudo é para o fim do consumo, acho que estou começando a acreditar nisso, infelizmente. Sigo frustrada com todos esses discursos, nenhum deles consegue saciar nossos desejos e sempre nos deixam com a perspectiva de que nunca seremos o que deveríamos. Gostei muito desse blog, voltarei mais vezes. Stephanie.

johann heyss disse...

Sou vegetariano, não sou consumidor da indústria de celebridades americana, mas achei este post uma pérola de estupidez. Qual o problema em Alicia ter corpo assim ou assado e divulgar o vegetarianismo? Só vale ser for gorda? Olha que prefiro mulheres cheinhas, mas este post me indignou. Coisa de xiita mesmo.

Raquel Sant' Ana disse...

Bem, deixemos claro: esse texto não é sobre vegetarianismo. O que se está criticando, pelo contrário, é a forma como qualquer coisa dentro do capitalismo acaba sendo apropriada e mercantilizada. A estética do comercial, assim como os panfletos de academia com fotinhos da Madonna, só corroboram um modelo estético que é dominante em todos os meios midiáticos, e vendem essas práticas como um meio de chegar a TER esse corpo. Quase uma forma de comprá-lo. Acho isso muito triste. Pode ser estupidez, mas acredito que há muito mais na yoga do que um exercício físico pra obter o corpo da Madonna. Pode ser coisa de xiita, mas não acho que parar de consumir animais mude o mundo por si só, se não for acompanhado de uma mudança na forma de ver a relação do homem com a natureza, e, sobretudo se as pessoas o fazem para CONSUMIR um modelo estético que se vende como perfeito, justamente porque rende lucros gigantescos.
Não é a toa que o comercial não exibe uma mocinha rechonchuda. Afinal a lógica é: seja vegetariano para ser gostosa.
Acredito que tanto a yoga quanto o vegetarianismo são práticas libertadoras, quando vêm acompanhadas de uma forma de encarar a natureza diferente da dominante no capitalismo, de consumo desenfreado e individualismo.
Deve ser coisa de xiita mesmo...

johann heyss disse...

Raquel Sant´anna, repito: Não precisa excluir as "patricinhas" e as "gostosas" para incluir as "fora do padrão".

Não sei se vc é socialista ou marxista, mas se for, explica tudo, pois o socialismo consegue ser uma prisão pior do que o capitalismo, mas é vendido pelos esquerdistas como se fosse a solução para os problemas do mundo. Tenho horror destas posturas engajadas compradas prontas em universidades pseudo-esquerdistas. Veja, não sou nem nunca fui de direita, mas esta esquerda socialista é uma das coisas mais asquerosas que já vi.

Seu texto representa um desvio da atenção do fato principal: simplesmente o fato de as pessoas se tornarem vegetarianas já ajudaria muito em vários sentidos, inclusive na preservação da natureza. Se uma das formas de se chegar a isso é entrar na mídia como ela é para vender a mensagem, não vejo nenhum problema.

Estou sendo sincero, acho que quem publica textos num blog deve estar pronto para este debate.

Posturas como essas só fazem afastar pessoas como eu, que abominam a direita, mas não aceitam essa esquerda cubana petista que está rolando por aqui.

Um abraço,

Johann

Patrícia Conceição disse...

Não entendo o que as pessoas têm contra se iludir. Eu amo o capitalismo, tudo depende de como você se ilude. Eu me iludo com o capitalismo e sou muito feliz com isso. O importante é ser feliz, de esquerda, de direta ou em cima do muro, tanto faz, o importante é o amor.......
E não concordo que o vegetarianismo ajuda na preservação da natureza. Você deixa de comer carne pra comer folha....continua matando seres vivos da mesma forma. Não tem como fugir da cadeia alimentar. Sejamos realistas: o mundo é dos mais fortes!

Eduardomb disse...

MAs essas analises estã muito profundas para o que me pareceu um esforço de relançar na midia uma estrela que nunca brilhou muito; abraçou uma causa e mostrou que tá magrinha, comportamento padrão de hollywood. Por outro lado tem o PETA que usou a mesma arma de convencimento, a propaganda, que vende produtos de couro e testados em animais justamente para fazer o inverso: as pessoas não comemerem mais animas. Mesmo assim fica uma indagação? Estamos debatendo sobre a Alicia Silverstone não converncer como vegetariana ou o PETA usar na sua reivindicação a estrategia de quem eles combatem?

david disse...

clichê clichê clichê clichê clichê clichê clichê clichê clichê clichê clichê clichê guevara.

Anônimo disse...

O que a falta de contexto acerca de um objeto de analise pode fazer à propria analise é algo tenebroso!

Primeiro, a PETA e outras organizacoes pro-consumo de carne, como "The Center for Consumer Freedom", estao em uma constante briga acerca dos beneficios e maleficios do ato de comer carne. Desta forma, é necessario uma pequena introducao historica sobre o tema.

Normalmente o argumento utilizado pelo PETA é moral, que afirma que matar animais é tao imoral quanto matar seres humanos. Desta forma, matar animais deveria ser proibido nao somente para roupas serem feitas, para em testes animais, como tambem da alimentacao de sua carne e derivados.

Neste sentido, inumeras redes de alimentos criam o centro mencionado acima, entre um das formas contra o PETA, afirmando que o nao consumo de carne traz maleficios à saude.

Desta forma, uma das batalhas do PETA agora é nao somente no campo moral mas como tambem no campo cientifico, pois buscam medicos para provar q o nao consumo de carne, nao somente, nao faz mal, como tambem seria mais saudavel.

Na luta retorica de convencer outros individuos, o PETA buscou com tal cartao mostrar que pessoas que nao ingerem carne podem tambem serem saudaveis e possuirem um "corpo bonito". A questao aqui é muito menos que ser vegetariano te faz ficar bonito e sarado, apesar que deve ser admitido que é algo extremamente implicito em tal cartao, mas a questao é que voce pode antes ter o corpo do jeito que voce deseja.

2- Ademais, que tem demais o PETA afirmar que pessoas que sao vegetarianas podem ter o corpo do jeito que desejam? Isso nao tem a ver com "a libertacao corporal", pois isso nao é nada mais que um contra-ponto estupido da necessidade do corpo perfeito.

Nesse sentido concordo com o Johann que diz que nao ha nada demais da pessoa querer ter o corpo X ou Y, o problema existe quando comecamos a denotar as pessoas com um corpo diferente do padrao normal como "feios(as)" e os que possuem tal corpo como "conformistas" ou "burros"

Rocio disse...

Eu sou um fã de Alicia Silverstone. Eu gosto de sua honestidade e sua forma de trabalhar. Eu também sou um vegetariano e eu a admiro. Eu li em um reportaja ela tem o cabelos secos e usar um produto específico, você sabe o produto que ela usa? obrigado